Postado em 10 de Setembro às 11h56

Treinamento presencial ainda é preferência da maioria

Artigos (45)
P&P Consultoria - Desenvolvimento Humano e Organizacional 71% das empresas preferem treinamentos presenciais para capacitar equipes, segundo pesquisa. Com o distanciamento social causado pelo novo coronavírus, diversos setores...

71% das empresas preferem treinamentos presenciais para capacitar equipes, segundo pesquisa.

Com o distanciamento social causado pelo novo coronavírus, diversos setores passaram a se reinventar e, automaticamente, enfrentar alguns problemas de adaptação. A área de Treinamento e Desenvolvimento (T&D), por exemplo, antes da pandemia, já encarava o desafio de concorrer com a preferência das empresas pelo aprendizado presencial. Segundo a pesquisa Panorama do Treinamento no Brasil 2019/2020, realizada pela Associação Brasileira de Treinamento & Desenvolvimento (ABTD), 71% das companhias optam por treinamentos presenciais, contra apenas 13% que preferiam o ensino a distância.


O especialista em desenvolvimento profissional e CEO da Passadori Comunicação, Liderança e Negociação, Reinaldo Passadori, explica o porquê da preferência da capacitação presencial:
“As empresas sempre foram rígidas quanto ao aprendizado remoto, preferem o conhecimento tradicional justamente pela necessidade de troca de sabedoria instantânea, por acreditarem que o colaborador terá melhor aplicabilidade na hora de executar suas tarefas após o termino do estudo e, além disso, supõem que a modalidade remota gera um custo maior de modernização nas companhias”, conta.

O estudo da ABTD expõe, também, a necessidade que as organizações sentem do treinamento presencial por acreditarem nos benefícios da experiência de aprendizado entre os próprios profissionais. 79% das companhias do setor industrial disseram preferir a capacitação presencial, já no segmento de comércio e serviços esse número aumenta para 86%.

“O gestor de treinamento terá que incentivar mais as companhias para a capacitação remota e fazer com que elas entendam que as modalidades a distância e presencial são complementares”, explica passadori. Por isso, diz, é necessário analisar as necessidades dos formatos de aprendizados, fazer com que eles sejam sem complicações, burocracias e que aproxime, ao máximo, o colaborador da realidade que ele viverá após a conclusão do treinamento. “O segredo é não deixar brechas no processo, criar trilhas de capacitação que comprovem resultados concretos, seja em treinamentos individuais ou em grupo, presenciais ou a distância”, finaliza.


Quem investe em T&D?
A pesquisa da ABTD traçou o mapa dos principais setores e o quanto investem na capacitação de seus colaboradores:


INDÚSTRIA
É o setor que mais investe em T&D, seja por colaborador, seja em números absolutos. É também o que tem práticas de T&D mais estruturadas, mais tem universidades corporativas e menos absenteísmo. Tem como prioridade os não líderes; é o setor que menos está fazendo EAD e o que mais utiliza avaliações de desempenho.


SERVIÇO
É o setor em segunda colocação em investimentos em T&D em números absolutos ou por colaborador e o com maior volume de horas de T&D por colaborador. É o que mais utiliza tecnologias para gestão do conhecimento; o que mais tem absenteísmo e o que menos tem verba anual de T&D definida. É também o setor que mais avalia a aplicabilidade de suas ações de T&D.


COMÉRCIO
É o setor que menos investe em T&D e que tem menos estrutura nessa área. Tem as lideranças como prioridade em suas ações de T&D, e, para elas, Treinamento Comportamental. Suas prioridades, seja em conteúdo, seja em indicadores de resultados, são as vendas. É o setor que mais avalia os resultados de suas ações de T&D (nível 4 e 5) e que, por um lado, menos utiliza ações de T&D no local de trabalho.
Por outro, mais utiliza a metodologia da mentoria. A grande oportunidade para as empresas desse setor é investir em metodologias online, que possibilitarão ganho de escala e ampliação de suas ações de T&D


Fonte: Melhor Gestão de Pessoas

Veja também

Liderança empática: nunca foi tão urgente17/09 Baseado na empatia, compreensão verdadeira dos sentimentos e experiências dos outros, esse modelo contribui para construção de empresas (e de pessoas) melhores. Quando comecei a escrever este artigo, o tema mais “quente” que estava em pauta era ainda a enorme transformação digital que estamos todos vivendo. Deixei o texto de lado por um tempo e quando voltei,......
As principais tendências de capital humano no Brasil24/09 Grande maioria das empresas brasileiras (95%) avaliou que "Ética e futuro do trabalho" é a tendência mais importante no mundo pós-pandemia. Inteligência Artificial (IA) e robótica eram termos que......
Como reduzir o turnover por meio de um processo seletivo de qualidade09/01/19 "Para reduzir o turnover, a empresa deve pensar no bem-estar e na motivação dos colaboradores A alta rotatividade de funcionários em uma empresa, o chamado turnover, é prejudicial para a cultura do negócio, para a......

Voltar para COMPARTILHANDO