Postado em 10 de Setembro de 2020 às 11h56

Treinamento presencial ainda é preferência da maioria

Artigos (65)
P&P Consultoria - Desenvolvimento Humano e Organizacional 71% das empresas preferem treinamentos presenciais para capacitar equipes, segundo pesquisa. Com o distanciamento social causado pelo novo coronavírus, diversos setores...

71% das empresas preferem treinamentos presenciais para capacitar equipes, segundo pesquisa.

Com o distanciamento social causado pelo novo coronavírus, diversos setores passaram a se reinventar e, automaticamente, enfrentar alguns problemas de adaptação. A área de Treinamento e Desenvolvimento (T&D), por exemplo, antes da pandemia, já encarava o desafio de concorrer com a preferência das empresas pelo aprendizado presencial. Segundo a pesquisa Panorama do Treinamento no Brasil 2019/2020, realizada pela Associação Brasileira de Treinamento & Desenvolvimento (ABTD), 71% das companhias optam por treinamentos presenciais, contra apenas 13% que preferiam o ensino a distância.


O especialista em desenvolvimento profissional e CEO da Passadori Comunicação, Liderança e Negociação, Reinaldo Passadori, explica o porquê da preferência da capacitação presencial:
“As empresas sempre foram rígidas quanto ao aprendizado remoto, preferem o conhecimento tradicional justamente pela necessidade de troca de sabedoria instantânea, por acreditarem que o colaborador terá melhor aplicabilidade na hora de executar suas tarefas após o termino do estudo e, além disso, supõem que a modalidade remota gera um custo maior de modernização nas companhias”, conta.

O estudo da ABTD expõe, também, a necessidade que as organizações sentem do treinamento presencial por acreditarem nos benefícios da experiência de aprendizado entre os próprios profissionais. 79% das companhias do setor industrial disseram preferir a capacitação presencial, já no segmento de comércio e serviços esse número aumenta para 86%.

“O gestor de treinamento terá que incentivar mais as companhias para a capacitação remota e fazer com que elas entendam que as modalidades a distância e presencial são complementares”, explica passadori. Por isso, diz, é necessário analisar as necessidades dos formatos de aprendizados, fazer com que eles sejam sem complicações, burocracias e que aproxime, ao máximo, o colaborador da realidade que ele viverá após a conclusão do treinamento. “O segredo é não deixar brechas no processo, criar trilhas de capacitação que comprovem resultados concretos, seja em treinamentos individuais ou em grupo, presenciais ou a distância”, finaliza.


Quem investe em T&D?
A pesquisa da ABTD traçou o mapa dos principais setores e o quanto investem na capacitação de seus colaboradores:


INDÚSTRIA
É o setor que mais investe em T&D, seja por colaborador, seja em números absolutos. É também o que tem práticas de T&D mais estruturadas, mais tem universidades corporativas e menos absenteísmo. Tem como prioridade os não líderes; é o setor que menos está fazendo EAD e o que mais utiliza avaliações de desempenho.


SERVIÇO
É o setor em segunda colocação em investimentos em T&D em números absolutos ou por colaborador e o com maior volume de horas de T&D por colaborador. É o que mais utiliza tecnologias para gestão do conhecimento; o que mais tem absenteísmo e o que menos tem verba anual de T&D definida. É também o setor que mais avalia a aplicabilidade de suas ações de T&D.


COMÉRCIO
É o setor que menos investe em T&D e que tem menos estrutura nessa área. Tem as lideranças como prioridade em suas ações de T&D, e, para elas, Treinamento Comportamental. Suas prioridades, seja em conteúdo, seja em indicadores de resultados, são as vendas. É o setor que mais avalia os resultados de suas ações de T&D (nível 4 e 5) e que, por um lado, menos utiliza ações de T&D no local de trabalho.
Por outro, mais utiliza a metodologia da mentoria. A grande oportunidade para as empresas desse setor é investir em metodologias online, que possibilitarão ganho de escala e ampliação de suas ações de T&D


Fonte: Melhor Gestão de Pessoas

Veja também

Os trabalhadores prateados no Brasil12/11/20 O olhar jovem e a experiência de vida dividirão cada vez mais a bancada de trabalho. Em 2040, a projeção é que cerca de 57% da população em idade economicamente ativa tenha 45+. Está em curso uma transformação demográfica que afeta diretamente a relação humana com o trabalho e a forma como planejamos o futuro......
O líder do futuro precisa de mais empatia02/07/20 Passada a pandemia, qual o perfil de liderança vai sobressair? No pacote de competências estão entender a si mesmo e os outros, aprender a criar empatia, criar e respeitar diferenças pessoais, entre outras. Com a necessidade de......
As pequenas coisas que fazem os funcionários se sentirem valorizados14/05/20 Algumas empresas tentam implementar programas mais significativos e oferecem prêmios específicos aos que, digamos, criaram ou lideraram uma iniciativa importante, “incorporaram” os valores da organização ou exerceram......

Voltar para COMPARTILHANDO

USO DE COOKIES

Nós utilizamos cookies com objetivo de prover a melhor experiência no uso do nosso site. Por favor, leia nossa Política de Privacidade e nossos Termos & Condições para entender quais cookies nós usamos e quais informações coletamos em nosso site. Ao continuar sua navegação, você concorda que podemos armazenar cookies no seu dispositivo. Leia nossa Política de Privacidade.